quarta-feira, 19 de maio de 2010

querendo o fogo, espiamos a noite
que dorme com cheiro de lobo marinho:
Mercúrio e língua movente
pernas quentes de correr o rio que escapa
ao longe,um homem lança a isca
e conduz o pássaro ao início do dia

3 comentários:

Anônimo disse...

´´O que mais belo conheci na terra, Nathanael, é minha fome.
Sempre ela foi fiel
a tudo o que sempre a esperava. É de vinho que se embriaga o rouxinol? De leite, a águia? A águia embriaga-se com seu vôo. O rouxinol , com as noites de verão. A planície treme de calor, Nathaneal, que toda emoção te possa ser uma embriaguez. Se o que comes não te embriaga , é que não tens muita fome´´- trecho de ´´OS FRUTOS DA TERRA´´ de André Gide....sinto fome de teus poemas, ÂNGELA.

Anônimo disse...

homem e pássaro...conduzo-me ao Oceano infindo. seja minha senda, meu rumo. a distância por breve, faz crescer necessidade em mim de tua escritura tecida em material raro.....
beijos, FLÁVIO VIEGAS AMOREIRA

literalmente disse...

Lobo marinho, rumo ao início do dia


que Ângela heim!

saudades