quarta-feira, 9 de junho de 2010

Voz de laranjeira no corredor branco. Sol secando o chão. Sapatos descansando na porta de entrada. Água subindo o poço. E ela descia e ajoelhava descalça. Até percorrer a distância entre o mar e a terra. De dentro. Ousava cheirar o longe.

Um comentário:

literalmente disse...

angelatmosfera
atmosferangela
átimos fera